Home / Geral / Novo remédio contra câncer de bexiga é aprovado no Brasil

Novo remédio contra câncer de bexiga é aprovado no Brasil

cancer04-1

Depois de décadas sem grandes novidades, o câncer de bexiga ganhou um novo inimigo no Brasil: o medicamento pembrolizumabe, da farmacêutica MSD. Esse tratamento, que se encaixa na chamada imunoterapia, aumentou as chances de sobrevivência após quase dois anos de acompanhamento – não à toa, acaba de ser aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Para ser mais exato, a medicação é voltada especificamente para os tumores uroteliais de bexiga. “É o subtipo mais comum desse câncer, representando 95% de todos os casos”, relata o oncologista Fernando Maluf, da BP – Beneficência Portuguesa, em São Paulo.

A droga vai entrar em cena apenas nos estágios avançados, quando a doença acometeu boa parte do órgão ou se espalhou para outros cantos do corpo. E só quando a quimioterapia tiver falhado.

Os benefícios do tratamento

Em comparação com uma segunda dose de quimioterápicos nos pacientes com câncer de bexiga avançado, o pembrolizumabe reduziu em 30% o risco de morte. Isso ao longo de 22,5 meses, tempo de duração do estudo que serviu de base para a aprovação na Anvisa.

“O interessante é que, em alguns pacientes, a resposta é especialmente positiva”, afirma Maluf. Como assim? “Ela dura por bastante tempo, o que dá sobrevida com qualidade”, responde o especialista.

Além disso, esse remédio imunoterápico é mais tolerado. Ou seja, apresenta menos reações adversas do que a quimioterapia. “O desafio, hoje, é saber quais indivíduos responderão melhor ao tratamento e quais infelizmente não se beneficiariam dele”, pondera Maluf. “Se tivéssemos uma forma precisa de separar esses grupos, otimizaríamos os resultados e não gastaríamos recursos desnecessários”, completa.

Pois é: como esse tratamento é bem caro, o ideal seria usá-lo apenas em quem vai tirar mais proveito dele.

Como o remédio funciona

A lógica é a mesma de outros imunoterápicos. Ou seja, o pembrolizumabe ajuda o corpo a enxergar o câncer como uma ameaça. Com isso, as nossas próprias células de defesa atacam o inimigo em vez de deixa-lo crescer numa boa.

É um mecanismo considerado revolucionário, porque, ao contrário de todas as outras linhas de tratamento, não foca diretamente a doença, mas o sistema imune. Até por isso, a imunoterapia foi eleita como avanço do ano pela Sociedade Americana de Oncologia Clínica – e abre as portas para que uma mesma medicação seja usada contra alguns tipos diferentes de tumor.

O pembrolizumabe, por exemplo, também já é usado no Brasil contra o melanoma (um câncer de pele bem agressivo) e para tumores de pulmão.

O câncer de bexiga em si

Em 2017, são esperados quase 10 mil novos casos dessa enfermidade, segundo o Instituto Nacional de Câncer. A encrenca é mais prevalente em homens por volta dos 65 anos e o tabagismo aumenta em três vezes o risco de sofrer com ela. O principal sintoma é o sangramento na urina.

Se detectado em estágios iniciais, o câncer de bexiga tem boas chances de cura. “Podemos utilizar a cirurgia ou a radioterapia para lidar com ele nesse contexto. E, às vezes, até mesmo a químio”, explica Maluf.

De novo: é só em situações mais graves que a imunoterapia vira uma opção.

Você pode Gostar de:

feirinha

Feirinha São Luís terá edições especiais nas vésperas de Natal e Ano Novo

Em sua nova edição, a Feirinha São Luís traz uma programação especial para os dias 24, …

facebook

Facebook lança botão que silencia amigos e páginas temporariamente

O Facebook anunciou na última  sexta-feira (15) o botão “Snooze” (soneca, em português), que permite …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *