Home / Notícias / EMPRESÁRIO MILTON LYRA É UM DOS ALVOS DA OPERAÇÃO DA PF NO POSTALIS

EMPRESÁRIO MILTON LYRA É UM DOS ALVOS DA OPERAÇÃO DA PF NO POSTALIS


Um dos alvos de mandado de busca e apreensão cumpridos na manhã desta quinta-feira, 1, no âmbito da operação Pausare é o empresário Milton Lyra; em relatório anexado ao inquérito, o MPF aponta que Lyra recebeu R$ 13,8 milhões de fundos de investimentos em que o Postalis é cotista – R$ 3,5 milhões do Atlântica Real Sovereign e R$ 10,3 do Brasil Sovereign II

Um dos alvos de mandado de busca e apreensão cumpridos na manhã desta quinta-feira, 1, no âmbito da operação Pausare é o empresário Milton Lyra.

Em relatório anexado ao inquérito, o MPF aponta que Lyra recebeu R$ 13,8 milhões de fundos de investimentos em que o Postalis é cotista – R$ 3,5 milhões do Atlântica Real Sovereign e R$ 10,3 do Brasil Sovereign II.

Lyra é investigado no mesmo inquérito em que o senador Renan Calheiros por suposta atuação em investimentos fraudulentos do Postalis.

O Postalis é o maior fundo de pensão brasileiro em número de participantes e responsável por administrar um patrimônio de R$ 8,77 bilhões. Até o fim de 2015, o plano de benefício definido do fundo (um tipo de plano mais antigo, que foi suspenso a novos participantes, em que o benefício era previamente estipulado, independentemente da evolução das contribuições) acumulava rombo de R$ 7,2 bilhões. No ano passado, o plano voltou a ter déficit, de R$ 1,1 bilhão.

Leia, abaixo, reportagem da Agência Brasil sobre a operação da PF: 

A Polícia Federal (PF) informou hoje (1°) que dará início a uma série de ações investigativas com o objetivo de “esclarecer a suposta atuação de uma organização criminosa especializada no desvio de recursos previdenciários do Fundo Postalis” – o Instituto de Seguridade Social dos Correios e Telégrafos. Em nota, a PF informa que as ações estão no âmbito da Operação Pausare e serão feitas ao longo das próximas 48 horas em São Paulo, no Rio de Janeiro, Distrito Federal e em Alagoas.

Ainda segundo a nota, a operação foi deflagrada depois que o Ministério Público Federal encaminhou à PF auditorias de órgãos de controle que teriam identificado “má gestão, irregularidades e impropriedades” na aplicação dos recursos do Postalis, o que teria contribuído para o déficit de aproximadamente R$ 6 bilhões do fundo.

Ao todo, 62 equipes policiais estão cumprindo aproximadamente 100 mandados judiciais em quatro unidades da Federação: 40 equipes atuam no Rio de Janeiro, sendo três no interior do estado, dez no Distrito Federal, 11 em São Paulo e uma equipe em Alagoas..

As medidas judiciais têm como alvo pessoas físicas – algumas delas empresários, que teriam articulado com gestores do fundo de pensão – e dirigentes de instituição financeira internacional, além de pessoas jurídicas. A nota da PF informa que dentro desse grupo há empresas com títulos em bolsas de valores e instituições de avaliação de risco.

O nome da operação faz referência ao infinitivo presente do verbo latino pauso – pausare -, palavra empregada com o sentido de aposentadoria.

Fonte: 247

Você pode Gostar de:

DUVIVIER: ATÉ QUANDO VÃO CONTINUAR AS PUTARIAS DOS JUÍZES?

O humorista Gregório Duvivier atacou os privilégios do Judiciário em sua coluna nesta segunda; “Por que …

Depois do golpe, Brasil despenca no ranking de países democráticos

    Até 2016, ano do golpe de Estado heterodoxo, o Brasil figurava mantinha posição …