Polícia

Delator da Lava-Jato é preso em ação contra tráfico de drogas

Outras 7 pessoas foram alvo de mandados de prisão na operação contra lavagem de dinheiro do tráfico internacional de drogas.

O doleiro Carlos Alexandre de Souza Rocha, conhecido como Ceará, foi um dos presos Operação Efeito Dominó, da Polícia Federal. Conhecido como um dos delatores da Operação Lava-Jato, ele foi preso preventivamente em João Pessoa. Outras 7 pessoas foram alvo de mandados de prisão na operação contra lavagem de dinheiro do tráfico internacional de drogas, realizada em 6 estados e no Distrito Federal.

Ceará havia firmado acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR). O acordo foi homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Como delator, ele mencionou nomes de políticos como Fernando Collor de Mello, Aécio Neves, Renan Calheiros e Randolfe Rodrigues. Ele atuava na Lava-Jato com o doleiro Alberto Youssef.

Carlos Alexandre chamou atenção dos investigadores pelo fato de ter retornado ao crime mesmo tendo fechado um acordo de colaboração premiada.

Prisões em seis estados e no DF

A Operação Efeito Dominó prendeu 8 pessoas em uma investigação de tráfico internacional de drogas comandada por Luiz Carlos da Rocha, o Cabeça Branca, um dos maiores traficantes da América do Sul. A ação, intitulada Efeito Dominó, uma alusão ao fato de existir um efeito em cascata no tráfico internacional de entorpecentes, é um desdobramento de investigações iniciadas em 2017, que resultaram na chamada Operação Spectrum, quando a PF desarticulou o esquema do traficante.

 

Por:MA10

Mostre mais

Artigos relacionados

Fechar