NotíciasPolícia

Polícia conclui investigação e diz que enfermeira esperou momento para atropelar cães em São Luís

Apesar de ter evitado um ataque momentos antes, a delegada do caso concluiu que a enfermeira não agiu em legítima defesa ao acelerar o carro sobre os cães.

A Delegacia do Meio Ambiente concluiu as investigações do atropelamento dos cachorros Peppe e Dukesa no dia 14 de agosto, em São Luís. A motorista que aparece em um vídeo no momento do atropelamento é a enfermeira da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH) Ana Giselly Atan, que foi afastada do cargo.

Ana Giselly Atan atropelou dois cães em rua de São Luís (Foto: Reprodução/Facebook)
Ana Giselly Atan atropelou dois cães em rua de São Luís (Foto: Reprodução/Facebook)

Nove pessoas foram ouvidas, entre vizinhos, um taxista e os donos dos cachorros. Segundo a delegada Caroliny Fernanda, foi confirmada a versão de testemunhas de que os pastores alemães atacaram um outro cachorro momentos antes do atropelamento e que a enfermeira ajudou a evitar o ataque.

“Há inclusive imagens desse momento. Os pastores alemães atacaram um cachorro viralata que estava passeando junto com a cuidadora. Ela pediu socorro. Um taxista saiu para pedir ajuda. Coincidentemente, a Giselly presenciou o ataque e agiu no sentido de afastar os pastores alemães do cachorro que estava sendo atacado”, afirmou a delegada.

Após ter evitado o ataque dos pastores alemães, a enfermeira continuou seguindo Peppe e Dukesa com o carro. É nesse momento que Giselly aparece com o carro em baixa velocidade em uma rua do bairro Residencial Pinheiros e atropela os dois cachorros. Veja no vídeo.

Apesar de ter evitado um ataque momentos antes, a delegada Caroliny informou que não houve indício de que a enfermeira agiu em legítima defesa no momento em que ela acelera o carro sobre os cães. Por conta do ato, Giselly Atan pode responder pelo crime de maus-tratos a animais.
“Em momento algum há indício de que ela agiu em legítima defesa. Os animais no momento não estavam apresentando risco para ninguém e aí ela atropelou. Mas mesmo que na rua tivessem crianças, ainda não justificaria”

“É um crime que tem pena inferior a dois anos. Ela vai passar por uma audiência preliminar com juiz e promotor, onde pode ser oferecido uma pena restritiva de direito, diferente da prisão. Mas tudo vai depender mesmo da decisão da justiça agora”, declarou a delegada do Meio Ambiente.

Com o fim das investigações foi concluído um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), que será encaminhado nesta sexta-feira (23) à justiça. A audiência do caso está marcada para outubro.

Entenda o caso

Imagens de câmera de segurança mostram o momento em que a enfermeira Ana Giselly Atan atropela dois cachorros da raça pastor alemão. A cachorra chama Dukesa morreu e Peppe sobreviveu.

Dukesa (à esquerda) não resistiu aos ferimentos e Peppe (à direita) (Foto: Reprodução/ Arquivo Pessoal )
Dukesa (à esquerda) não resistiu aos ferimentos e Peppe (à direita) (Foto: Reprodução/ Arquivo Pessoal )

O caso foi registrado na terça-feira (14), mas só na quinta-feira (16) o vídeo viralizou nas redes sociais e causou revolta nos internautas. As cantoras Anitta e Preta Gil, o humorista Marcelo Adnet e a atriz Giovanna Ewbank foram alguns dos artistas que se manifestaram sobre o atropelamento dos dois cachorros.

“Como é que essa pessoa consegue dormir depois?”, comentou o padre Fábio de Melo.
Artistas se pronunciaram sobre o atropelamento dos cachorros em São Luís (Foto: Reprodução/Instagram)
Artistas se pronunciaram sobre o atropelamento dos cachorros em São Luís (Foto: Reprodução/Instagram)

A professora universitária Leila Cristina Oliveira é a dona dos cachorros atropelados. Ela disse que quer justiça, mas não concorda com a onda que tomou conta das redes sociais que sugerem violência contra a enfermeira. Veja no vídeo.

Dona dos cachorros atropelados se emociona e pede justiça
Dona dos cachorros atropelados se emociona e pede justiça

Já a enfermeira Ana Giselly Atan se pronunciou por meio de nota esclarecendo que não teve a intenção de atropelar os dois cães. Segundo ela, tudo “não passou de um infeliz acidente e que está trazendo a ela e sua família um profundo abalo”, disse.

A delegada do Meio Ambiente Caroliny Fernanda informou que, em depoimento, a enfermeira relatou que “estava acompanhando os cachorros no sentido de evitar que eles não atacassem ninguém porque sabia onde os animais moravam e estava esperando um taxista voltar com objetos para conter os animais e levá-los aos donos“.

Com relação aos cães estarem soltos na rua, as investigações concluíram que eles não teriam fugido após uma tentativa de assalto na casa dos donos, como algumas testemunhas haviam sugerido.

“Não há indícios de tentativa de furto na casa. Provavelmente os próprios animais conseguiram fugir sozinhos”, declarou a delegada Caroliny.

Fonte:G1

Mostre mais
Fechar