NotíciasPolítica

Michelle Bolsonaro confunde ‘misoginia’ com ‘xenofobia’ e redes não perdoam

Em entrevista à Record TV, Michelle Bolsonaro, mulher de Jair Bolsonaro, resolveu sair em defesa do marido contra as acusações de misoginia, mas não deu muito certo. Ao dizer que Bolsonaro não era machista, ela justificou isso ao fato dela ter sangue nordestino.

 
“Ele é taxado como misógino e ele é casado com quem? Com a filha de um cearense!”, disse Michelle Bolsonaro.

A veemente defesa ao marido não é compatível com o significado de “misoginia”, que é o desprezo, ódio, ou preconceito contra pessoas do gênero feminino e nada tem a ver com regionalidade, seja do sul, sudeste, norte ou nordeste.

A mulher de Bolsonaro tem o mesmo comportamento de parte de seus eleitores: defende o que nem sabe o que é.

Bolsonaro é considerado misógino por seu discurso e atos ao longo de seus 28 anos de vida pública como deputado federal. Ele chegou a afirmar que não estupraria a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) porque ela “não merecia” por ser feia. Sua declaração o transformou em réu por apologia ao estupro.

Em outras entrevistas, inclusive como candidato, ele defendeu que não contrataria uma mulher com o mesmo salário de um homem porque ela engravida.

Nas redes sociais, a gafe não teve perdão. “As definições de misógino foram atualizadas”, disse uma internauta.

“Achava que só o Bolsonaro falava merda, mas a mulher dele acha que misoginia é xenofobia. Parece eu quando criança que achava que manicure, pedicure e culinária eram a mesma coisa”, disse o humorista Oscar Filho.

“Mulher de Bolsonaro diz que ele não é misógino porque “é casado com a filha de um cearense”. E nem xenófobo, mas o Ceará fica no Texas”, afirmou Marcia Denser.

Mostre mais
Fechar