EsporteNotícias

Uruguai sofre e tem ajuda do VAR para empatar com o Japão

Resumo

A zebra passeou pela cidade de Porto Alegre na noite desta quinta-feira. Em um jogo bastante movimentado, o Uruguai saiu atrás no marcador duas vezes e ficou somente no empate em 2 a 2 com o Japão, em partida disputada na Arena do Grêmio e válida pela segunda rodada do Grupo C da Copa América. A produção ofensiva foi o grande destaque do jogo. No total, foram 39 finalizações e com 18 chances reais de gol. Além dos craques consagrados uruguaios e das jovens promessas japonesas, o VAR também foi personagem de destaque no confronto ao marcar penalidade a favor do Uruguai no primeiro tempo – Suárez marcou – e ignorar possível penalidade para o Japão no começo da segunda etapa. 

VAR em ação

O Japão estava em vantagem no marcador quando o árbitro Andrés Rojas foi chamado para rever uma disputa entre Cavani e Ueda na área japonesa. O atacante do Uruguai caiu após o defensor do Japão tentar bloquear a finalização. O responsável pelo árbitro de vídeo foi o colombiano Nicolas Gallo, com auxílio dos argentinos Nestor Pitana e Hernán Maidana. Após a confirmação da penalidade, Suárez empatou para os uruguaios aos 31 do primeiro tempo. Para Sálvio Spinola, comentarista do Grupo Globo, a falta não deveria ter sido marcada.

Central do Apito: Sálvio Spinola diz que não teve pênalti em Cavani
Central do Apito: Sálvio Spinola diz que não teve pênalti em Cavani

Cadê o VAR?

No começo da segunda etapa, uma tentativa de drible de Nakajima se transformou em lance polêmico reclamado pelos japoneses. O meia do Japão caiu após choque com Giovanni González, dentro da grande área. O árbitro Andrés Rojas até retardou o início de jogo em alguns segundos, mas logo autorizou Muslera a reiniciar o jogo sem a necessidade de rever a decisão. Desta vez, Sálvio Spinola, comentarista do Grupo Globo, teria assinalado a penalidade.Central do Apito: Sálvio Spinola diz que teve pênalti em Nakajima, aos 2′ do 2º tempo

Primeiro tempo

Um jogo agradável e com boas chances para Uruguai e Japão na primeira etapa. É verdade que os sul-americanos estiveram mais presentes no setor ofensivo, com direito a criação das melhores oportunidades, mas os asiáticos não só também levaram perigo como abriram o placar em Porto Alegre, com Miyoshi. O empate veio sete minutos depois com Suárez, em cobrança de pênalti após auxílio do VAR. No total, foram 18 finalizações no primeiro tempo (dez para os uruguaios e oito para os japoneses).Comemoração da seleção japonesa

Comemoração da seleção japonesa
Comemoração da seleção japonesa (Foto: Vinícius Costa/BP Filmes)

Segundo tempo

Com um futebol mais solto, o Japão voltou do intervalo assustando a defesa uruguaia, principalmente nos contra-ataques. Aos 13 minutos, Miyoshi aproveitou rebote que parecia defesa tranquila de Muslera para completar para o gol e colocar novamente os asiáticos em vantagem. Dono de um forte poder ofensivo, o Uruguai contou com o defensor Giménez para empatar o jogo novamente. A bola de Suárez que poderia ser a da virada para o Uruguai, aos 34 minutos, parou no travessão de Kawashima.Giménez, zagueiro do Uruguai, comemora o gol de empate contra o Japão

Giménez, zagueiro do Uruguai, comemora o gol de empate contra o Japão
Giménez, zagueiro do Uruguai, comemora o gol de empate contra o Japão (Foto: REUTERS/Diego Vara)

Quase um gol de placa

Pouco antes do cronômetro completar um minuto de jogo, Luis Suárez quase entrou para a história da Copa América ao tentar um chute do meio de campo. O atacante do uruguaio obrigou Kawashima a correr de volta para o gol, mas a bola passou perto, por cima.

Público e rendaPúblico total: 39.733

Público pagante: 33.492

Público não pagante: 6.241

Renda: R$ 6.613.630,00

Fonte:Globoesporte

Mostre mais