MaranhãoNotíciasSaúde

Maranhão registra mais de 500 casos suspeitos de dengue em 45 dias

De acordo com a Secretaria de Saúde, municípios de Barra do Corda, São Pedro dos Crentes e Fortaleza dos Nogueiras são os que mais preocupam pela incidência dos casos.

Em 45 dias, foram registrados 503 casos suspeitos de dengue em municípios do Maranhão, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES). O relatório também aponta que durante este período, o estado obteve 25 ocorrências de febre chikungunya e 21 de zika virus.

De acordo com a SES, os municípios que mais preocupam são Barra do Corda, São Pedro dos Crentes e Fortaleza dos Nogueiras, por serem locais com índice de infestação alto e onde o mosquito Aedes aegypti tem mais chance de se proliferar.

De acordo com o Ministério da Saúde, o Maranhão é um dos estados que poderão ter surto de dengue em 2020. No ano passado, foram registrados mais de 1 milhão de casos de dengue, com 782 mortes, o que representou um aumento de 488% em relação a 2018.

Preocupação

O problema preocupa moradores de bairros de São Luís, já que com o início do período chuvoso, as chances de proliferação do mosquito transmissor das doenças é mais alto. Além disso, eles alegam que o mau exemplo do poder público também dificulta o combate aos focos da doença.

Exemplo dessa situação, são as obras de construção da Maternidade da Cidade Operária que não foram concluídas. Cinco fossas abertas pela construtora estão cheias de lixo, água parada e ainda estão abandonadas. Com isso, o local vem servindo de criadouro para o mosquito e se tornando um perigo para que vive nas proximidades.

Obra de maternidade abandonada serve de criadouro para o mosquito transmissor da dengue. — Foto: Reprodução/TV Mirante
Obra de maternidade abandonada serve de criadouro para o mosquito transmissor da dengue. — Foto: Reprodução/TV Mirante

 

“Isso daqui é da prefeitura, criando muito mosquito, muita larva e a situação é essa aqui. Eles não limpam, não faz nada e a população aqui é que sofre. Eles jogam cachorros, jogam gatos, todos mortos aqui. A gente trabalha bem ali no posto de mototáxi, mas a situação é desse jeito aqui. Ninguém do poder público toma providência de nada e o que acontece é doença em cima de doença, mosquito da dengue e urubus 24 horas por dia no local”, disse Auri Batista, mototaxista.

A Prefeitura de São Luís informou que agentes de endemias serão enviados para realizar vistorias nos locais e adotar medidas necessárias.

Galerias com água parada

A água parada, principal meio de reprodução das larvas do mosquito, também preocupa. Galerias cheias de água que pertencem a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) incomodam moradores em diversos bairros de São Luís.

Uma galeria na Avenida dos Africanos, bem em frente a entrada principal do bairro Coroadinho, tem tirado o sossego da população. A peça de concreto que cobria a tubulação foi retirada e com isso, a água acumula no buraco. Além disso, muito lixo é depositado no local o que deixa a situação ainda mais preocupante.

Galerias com água paradas incomoda moradores que vivem próximo a Avenida dos Africanos em São Luís (MA) — Foto: Reprodução/TV Mirante
Galerias com água paradas incomoda moradores que vivem próximo a Avenida dos Africanos em São Luís (MA) — Foto: Reprodução/TV Mirante

 

“Serve de criadouro né? A gente passa e tá tudo cheio de bichinhos e lixo também. As vezes derrama e a gente passa e vê transbordando aí. Quando tá dando muita água que transborda aí”, disse Rosângela Lima, dona de casa.

Segundo a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema), a água da chuva acumulada dentro da caixa da Avenida dos Africanos não entra na tubulação e a drenagem é feita periodicamente. A companhia também informou que uma equipe vai avaliar a situação no local.

Alerta

O mau exemplo também não vem só dos órgãos públicos e a população também pode se tornar vilão na batalha contra o mosquito. No bairro Cidade Operária, os próprios moradores denunciam a ação de algumas pessoas que jogam uma grande quantidade de lixo bem ao lado de um Ecoponto, local construído pela Prefeitura de São Luís para recolher os resíduos.

“E jogamde propósito, as pessoas já estão acostumadas. Já acostumou a jogar o lixo em qualquer lugar, de forma inadequada. Prejudica todo mundo com certeza. Acostumou a fazer a coisa errada, descartar o lixo em qualquer lugar, então é um pouco mais de mentalidade mesmo”, explica Eliseu Alves, pastor.

Por meio de nota, o Comitê Gestor de Limpeza Urbana de São Luís informou que o Ecoponto no bairro Cidade Operária recebe o serviço de remoção de lixo duas vezes na semana, podendo ser ampliado de acordo com as demandas existentes.

Lixo é jogado próximo a Ecoponto no bairro Cidade Operária, em São Luís (MA) — Foto: Reprodução/TV Mirante
Lixo é jogado próximo a Ecoponto no bairro Cidade Operária, em São Luís (MA) — Foto: Reprodução/TV Mirante

Mostre mais

Artigos relacionados